Os homens por trás dos egos

Hoje, comecei o dia recebendo uma mensagem especial, do maior líder de uma grande empresa nacional.

Ele foi o primeiro a usar a opção “Agradecimento” no formulário de contato deste meu novo site, para comentar o artigo divulgado ontem e me contar sobre suas conquistas, viagens etc, lembrando o quanto um treinamento que fiz em 2010 foi relevante para sua formação.

Acabei de respondê-lo agradecendo também, mas resolvi compartilhar com vocês uma nova reflexão.

Desde outubro, quando voltei ao mercado com meu novo livro Código Diamante, já recebi umas dez mensagens como essa, de líderes que estão entre os 5 maiores em suas empresas, me agradecendo pelo trabalho que faço, reservadamente. Inclusive de alguns que foram meus oponentes no passado, porque acabaram se envolvendo com pirâmides e depois entenderam a bobagem que fizeram.

Entretanto, ao mesmo tempo em que esses líderes me escrevem lindas mensagens, sinto que a maioria evita expor publicamente essa gratidão, talvez porque sintam receio de eu me envolver com outra empresa concorrente no futuro, e que isso possa ser usado para prejudicá-los de alguma forma. Ou então, porque politicamente podem ser mal vistos por executivos e líderes que não tenham a mesma opinião a meu respeito. Ou mesmo porque talvez pensem que isso poderá ser interpretado como sinal de fraqueza por seus milhares de seguidores. Sei lá…

Parece que ícones do nosso mercado fazem questão de apagar suas memórias a partir de um certo ponto, quando a figura pública passa a ser mais importante que o homem que a construiu.

Eu até entendo os limites e cuidados, desses que preferem a discrição, mas me incomoda quando alguns dos meus amigos, alunos e parceiros do passado deixam o ego sobrepor nossa relação de tantos anos.

O mesmo efeito se observa quando um líder muda de empresa e imediatamente tem seu histórico apagado, por aqueles que sentem-se “ameaçados por fantasmas”.

É uma pena que o nosso mercado seja tão mesquinho a ponto de tratar o passado desta forma, renegando suas origens e mentores.

É uma pena que todo o esforço que sempre fiz para apoiar nosso crescimento como indústria seja sonoramente ignorado, por interesses tão pequenos quanto infelizes.

É uma pena que grandes profissionais sejam incapazes de se respeitar como homens e mulheres de verdade, por trás de tanto ego.

Eu continuarei lutando contra essa maré de vaidades, mas lamento pelo que poderíamos construir se jogássemos juntos.

Nosso mercado seria mais respeitado e os bônus de todos 20x maior.

  • David Filho

    Parabéns Sérgio sempre muito direto e cirúrgico!