Eu fiquei muito incomodado

Comecei no Marketing de Rede em 1993, sem qualquer experiência em negócios, mas tive a sorte de entrar em uma equipe forte, com um nível de compromisso, disciplina e atitude muito acima da média.

Ninguém me deu moleza. Pelo contrário, me deram uma surra impiedosa de inspiração para pegar no pesado. Depois outra. E mais outra…
Passei quase um ano consumindo os produtos e participando dos eventos sem resultados financeiros, porém aquele foi o período em que mais aprendi sobre a dinâmica das redes e amadureci como líder.

Ali aprendi que sou 100% responsável, mesmo quando não tenho culpa. Líderes assumem as responsabilidades.

Aprendi que “ficar incomodado” é sempre necessário para sair da zona de conforto, expandir minhas capacidades e alcançar melhores resultados.

Os anos se passaram e eu tive a chance de conviver com grandes mestres da nossa indústria, mas acredite: não foram sonhos de verão. Ouvi verdades que me doeram na alma.

Não é comum nos dizerem verdades por aí…

Odiei meus mentores porque não me deixaram fraquejar quando era mais cômodo…

Odiei meus mentores porque se recusaram a valorizar meus problemas…

Odiei meus mentores porque eles simplesmente ignoravam os limites que eu acreditava ter…

Hoje, sei que não teria feito um terço do que realizei sem a pressão que me colocaram. De um jeito ou de outro, eles confiavam mais em mim do que eu mesmo.

Eles me viam mais forte e capaz quando as coisas iam mal, quando eu pensava em desistir.

Confesso que abandonei meus projetos várias vezes, mas sempre voltei dias depois porque não queria ficar longe deles, da energia construtiva que me passavam.

Eu não entendia a falta de resultados, mas me sentia bem em aprender o que me ensinavam.

Hoje sei que era só questão de tempo para ajustar minha mentalidade.

Valeu a pena sofrer no processo?

Sim!

Como dizia Jim Rohn: “Não se junte à multidão da facilidade; você não irá crescer. Vá para onde a expectativas e demandas para gerar resultados é alta”.

É muito fácil se comprometer quando as condições são ideais, quando coisas vão bem, quando a agenda está tranquila e a conta bancária cheia.

Também é muito fácil lidar com pessoas acostumadas a viverem imersas em desculpas, reclamando do governo, do chefe, do vizinho…
Mas os resultados da maioria acomodada nós já conhecemos.

Conviver com líderes é diferente. Você precisa romper com seus padrões enfraquecedores para acompanhá-los.

É o preço que se paga para aprender.

Ninguém precisa subir tão rápido, nem se sacrificar demais, se não estiver disposto.

Crescer incomoda muito, mas o Jim Rohn também dizia:

“Todos nós sofremos uma de duas dores: a dor da disciplina ou a dor do arrependimento. A primeira pesa gramas, a segunda toneladas.”

Sucesso a todos!